Ex-Bolsista da Capes publica livro sobre niilismo em Machado de Assis

setembro 27, 2018 Off Por O Martelo de Nietzsche

Vitor Cei Santos, ex-bolsista da Capes, acaba de publicar o livro “A voluptuosidade do nada: niilismo e galhofa em Machado de Assis”.

O livro trata-se de uma versão atualizada da tese de doutorado defendida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com bolsa na modalidade doutorado-sanduíche na Freie Universität Berlin.

VItor, traz em seu livro um estudo inédito sobre o maior escritor brasileiro. A obra convida a pensar o conceito de niilismo na obra de Machado de Assis, apresentando-o como um motivo condutor da ficção machadiana, e também, traz um diálogo com as principais influências e leituras filosóficas do escritor.

Vitor diz:

Apoiando-me em leituras de Pascal, Schopenhauer, Nietzsche e outros autores, eu busco demonstrar o quanto, na realidade, a ficção machadiana se distancia das concepções de pessimismo e niilismo, na medida em que as aborda com a pena da galhofa”.

Para ele, Machado conseguiu de fato conciliar forma artística e conteúdo filosófico de um modo indiscutivelmente original e autêntico, ultrapassando o terreno puramente estético e literário em direção a uma problemática ético-política ainda atual”, ressaltou.

Vitor elucida que um dos motivos pelo qual a bolsa de doutorado-sanduíche foi importante é a escassez de bibliografia especializada disponível no Brasil. “A pesquisa realizada nas bibliotecas da Alemanha, sobretudo no sistema de bibliotecas da Freie Universität Berlin, foi de fundamental importância para suprir as necessidades bibliográficas devido à ausência, no Brasil, de traduções, e mesmo de textos originais, de grande parte da bibliografia teórica a ser consultada”.

A experiência de estudar na Alemanha

Vitor define que a experiência na Alemanha com bolsa da Capes foi essencial para compreender o quanto, na realidade, a ficção machadiana se distancia das concepções de pessimismo e niilismo apresentadas por autores alemães como Arthur Schopenhauer e Friedrich Nietzsche.

Ainda que recorra a citações e interpretações de clássicos europeus, ao invés de ler a obra de Machado de Assis pelo código cultural da filosofia ocidental, eu busco reler a filosofia ocidental pela obra de Machado de Assis, repensando a interpretação canônica do autor e ressignificando o conceito de niilismo, revelando a distância entre a construção nietzschiana e a experiência histórica do Brasil”.

O doutorado sanduíche realizado na Freie Universität Berlin, na Alemanha, sob coorientação da professora Lígia Chiappini, permitiu a atualização de conhecimentos e a incorporação de novos modos de gestão da pesquisa em literatura comparada, com foco na interface entre um autor brasileiro, Machado de Assis, e um alemão, Friedrich Nietzsche.

“A coorientação da professora Lígia Chiappini, brasileira (nascida no Uruguai), professora titular de Literatura e Cultura Brasileiras no Lateinamerika-Institut da Freie Universität Berlin desde 1997, atualmente aposentada, foi de fundamental importância pelo reconhecido mérito de seu trabalho acadêmico e, especialmente, por sua experiência em pesquisas sobre as dinâmicas transculturais entre Alemanha e Brasil“, define.

A pesquisa foi desenvolvida no Instituto de Estudos Latino-Americanos da Freie Universität Berlin. “O instituto reúne professores, pesquisadores e estudantes em torno da diversidade histórica das formas de representações literárias e culturais na América Latina em face de um mundo cada vez mais interligado. É o maior centro de estudos latino-americanos da Alemanha e um dos mais importantes do mundo.

Após conclusão do doutorado, Vitor Cei ingressou na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus de Porto Velho, no cargo efetivo de Professor do Magistério Superior, em setembro de 2015. Os objetos de estudo do doutorado agora continuam como temas de pesquisa do professor.

“Desde o meu efetivo exercício, eu dou continuidade às pesquisas do doutorado, desenvolvendo projetos e atividades nas áreas de Literatura Comparada e Filosofia da Literatura, com ênfase, por um lado, nas possibilidades abertas ao pensamento filosófico pela cultura brasileira e, por outro, nas relações intertextuais da literatura brasileira com a tradição filosófica.

Fonte: Capes

Por: Redação de O Martelo de Nietzsche